História do GDCC2

HISTÓRIA DO GRUPO DESPORTIVO E CULTURAL DO CONDE 2


Localização:
A Quinta do conde é um lugar do concelho de Sesimbra que, no início da década de setenta iniciou um processo de povoamento de génese ilegal, muito acelerado. Sede da freguesia com o mesmo nome, criada em 1985, a Quinta do Conde foi elevada a vila em 1995 e compõem-se por seis bairros: Conde 1, Conde2, Conde3, Boa Água 1, Boa Água, e Pinhal do General.
Os primeiros habitantes da Quinta do Conde confrontam-se com necessidades de diverso tipo mas, imbuídos de grande espírito criador, procuraram e encontraram solução para as necessidades de convívio, recreio, cultura e desporto, criando clubes, colectividades, grupos folclóricos, instituições de solidariedade social, etc…

Fundação:
Dentro deste espírito empreendedor, surge o Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, uma das mais antigas associações da Quinta do Conde e a primeira assumidamente de “bairro”, como a denominação indica.
A decisão de criar o Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, foi tomada a 10 de Março de 1979. O grupo de frequentadores do “Café Convívio 78”, situado no lote 1939, Conde 2, agendou para aquela data um encontro de confraternização que começava com um jogo de futebol e terminava com um almoço. À hora marcada, numa camioneta do “Vítor da Fruta”, os convivas partiram em direcção ao Marco do Grilo para jogar no “Campo da Nato”, antecipadamente pedido para o efeito. Seguiu-se o almoço, no restaurante do “Lameiras” existente no lote 3216, Conde 3 (posteriormente conhecido por “Restaurante 12 km”). E foi durante o almoço que surgiu a proposta de fundar um clube, proposta unanimemente aceite, tendo de entre os presentes sido constituída uma comissão com: João José Favinha Doidinho, António Barradas Falardo, Vítor Manuel Silva, Manuel António Moiteira, João Gomes e Joaquim António Prates. Esta comissão tinha como objecto de criação duma associação a que deram inicialmente a descrição de Grupo Desportivo do Conde 2. Além dos já citados, participaram na fundação do Clube, entre outros: Manuel Lucas, Dário Silva, João Caeiro, António Levita, António Carreta, Manuel Fitas, Júlio Pimenta, Vítor Caeiro, Alexandre Pereira, Artur Silva, Joaquim Farias e Rui Paulino. 
A localização da sede, tal como todo o aglomerado populacional, em parcelamento ilegal, complicou a evolução da colectividade, à obra de construção da sede em 19 de Agosto de 1980. Estes, como outros obstáculos foram, porém, rapidamente ultrapassados.
A constituição oficial do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, porém levaria ainda algum tempo. A escritura notarial foi realizada a 23 de Abril de 1986, no 11º Cartório Nacional de Lisboa. Subscreveram a constituição: Júlio Duque Pimenta, João Miguel Carreta, Francisco Granja Félix, Manuel Granja Félix e Rui Ventura Paulino. Com a publicação do estracto na III série do Diário da República, número 141 de 23 de Junho de 1986. Entre os objectivos inscritos nos Estatutos, estão a “promoção cultural, desportiva e recreativa dos seus associados e exibição de filmes sem fins lucrativos”.

Símbolos
A bandeira da associação é um rectângulo verde e branco, sendo o espaço a verde cerca de ¼ do total. Ao centro da parte branca assenta o símbolo, uma circunferência a verde com fundo branco, onde se inscreve a denominação, a data de fundação, dois ramos a amarelo e cinco anéis entrelaçados (anéis olímpicos, com as respectivas cores: azul, preto, vermelho, amarelo e verde). No interior dos anéis a sigla da colectividade. 

Apoios:
O Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 tem contado com apoios de diversas entidades oficiais, designadamente da Junta de Freguesia da Quinta do Conde, da Câmara Municipal de Sesimbra, do Governo Civil de Setúbal, do INDESP, etc…
O terreno para as instalações, foi cedido por António Xavier de Lima, que também apoiou a colectividade com materiais de construção civil. Outros empresários, têm, também, auxiliado esta associação. Ainda agora, durante as comemorações do 21º aniversário, foi reconhecido o apoio prestado pelo empresário Francisco Dias Lopes.

Actividades:
Das actividades já promovidas pelo Clube, destacam-se o ciclismo, boxe feminino, danças de salão, atletismo, ginástica, luta greco-romana, futebol de cinco, e diversos jogos de caris popular. Entre as iniciativas cintam-se exposições e festas várias.
Nas décadas de setenta e oitenta o ciclismo foi uma modalidade em destaque na Quinta do Conde. O Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 inscreveu-se então na Associação de Ciclismo de Setúbal e dispôs de uma equipa que participou em inúmeras provas.
Em 1992, o Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 iniciou a prática de boxe, para o que contou com a colaboração de António Bravo, director técnico regional de boxe. Novidade foi a extensão desta prática às senhoras, sendo as atletas deste clube as primeiras a combater sob a égide da respectiva federação.
Em 1992, o Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 inscreveu-se na Associação de Atletismo de Setúbal e deste então tem promovido a realização de várias competições nesta modalidade e dispõe de uma equipa que participa em múltiplas provas.
A ginástica para a terceira idade é uma actividade desenvolvida em parceria com instituições de apoio à terceira idade e a Câmara Municipal de Sesimbra que tem merecido justo reconhecimento.
O Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra, constituído em 1994, reactivou a prática do folclore no Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, e passou a promover recolhas benévolas de sangue com regularidade. Os habitantes da Quinta do Conde, são provenientes das mais variadas regiões do nosso País, sendo o Alentejo, porém, a região mais representada. Não admira, pois, a criação do Grupo Coral Voz do Alentejo, em 1998, que veio alargar o âmbito das actividades do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, ao cante coral.
Recentemente, foi estabelecido um protocolo com a Associação Portuguesa de Emergência Rádio e criado um núcleo daquela associação a funcionar na sede do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2.

Património:
Este Clube tem actualmente sede social, distribuída por dois pisos, composta por um salão com cerca de 200 metros quadrados, bar, salas de jogos e outros espessos de apoio. Dispõe de campo polidesportivo com balneários, desde Março de 1992.
No dia 2 de Dezembro de 1992, Manuel Moiteira e Francisco Chinita, respectivamente presidente e tesoureiro da colectividade encontraram-se com António Xavier de Lima no 2º Cartório Nacional de Setúbal para subscrever a escritura de doação do terreno do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2: Os lotes 3253, 3254, 3283 e 3284, do Conde 2, num total de 1251 metros quadrados. Xavier de Lima impôs como condição para a doação, o compromisso da colectividade “jamais doar, vender, hipotecar ou de qualquer outra forma alienar os lotes de terreno objecto da escritura”.
Apesar, das condicionantes da escritura notarial do terreno e do património edificado, encara-se a possibilidade do grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, vir a transferir a sede para outro local, em consequência da reestruturação urbanística da área envolvente.

Associados
O maior património do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 tem sido, pode dizer-se, a sua massa associativa que, com a sua participação nos órgãos directivos, o seu envolvimento nas actividades, o seu trabalho para edificação da sede social, têm demonstrado uma afectividade e um carinho pela colectividade dignos de registo.
O Grupo Desportivo e Cultural conta actualmente com 809 associados inscritos (2000).
Presidiram às direcções do Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2, respectivamente: João Favinha, Manuel Lucas, João Carreta, Manuel Moiteira, José Anselmo e José Taveira, João Favinha e Manuel Moiteira exerceram vários mandatos.
O Grupo Desportivo e Cultural do Conde 2 dispõe de condições para desempenhar um importante papel no desenvolvimento cultural e desportivo da Quinta do Conde.
                    Quinta do Conde, 28de Março de 2000


INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA
Exmo. Senhor
Tendo presente o processo relativo ao pedido de declaração de utilidade pública dessa entidade, encarrega-me o Senhor Primeiro-Ministro de informar que, reconhecendo o mérito da acção desenvolvida na promoção do desporto, cultura e recreio dos seus associados, a pretensão de V.Exas, mereceu despacho favorável e o processo foi remetido aos serviços competentes para publicação.
Com os melhores cumprimentos
O Chefe de Gabinete
(Rodolfo Vasco Lavrador)

João Laranjeira

GRUPO MUSICAL "ECOS"
Agosto de 2000
Em finais de Agosto do ano de 2000 o senhor Manuel Barros Cardoso, tesoureiro desta Associação, e também membro do Grupo Etnográfico de Danças e Cantares do Concelho de Sesimbra, convidou alguns elementos da tocata e cantadores deste grupo a formarem um grupo de música popular e tradicional na nossa Associação sendo a ideia bem aceite começaram os ensaios no mês de Setembro todas as terças-feiras às 21: 00 h.
Sendo a ideia tão bem aceite e a vontade de dar o melhor tão grande logo no dia 5 de Outubro estava criado o Grupo Musical "ECOS" tendo um reportório baseado  maioritariamente no cancioneiro do Alentejo que aos poucos mediante recolhas feitas foram-se introduzindo mais cantigas de Norte a Sul do país.
Ao longo destes anos muitos passaram pelo grupo, uns ficaram outros saíram mas são os seus fundadores que aqui quero relembrar.

- João Laranjeira
- Vítor Magalhães
- Marcolino Silveira
- Natércia Guerreiro
- João Barros
- Anabela Laranjeira
- Avelino Pinto
- Vítor Pinto
- José Serralheiro
- Agostinho Santos
- António Barata
- Casimiro Dias

João Laranjeira

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores